segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

A guerra não tem rosto de mulher...







"Não estou escrevendo sobre a guerra, mas sobre o ser humano na guerra. Não estou escrevendo a história de uma guerra, mas a história dos sentimentos. Sou uma historiadora da alma." (Svetlana Aleksiévitch)"


rosto de mulher
2018 começou muito bem, já no primeiro mês do ano tive o prazer de fazer uma excelente leituraA guerra não tem rosto de mulher, da escritora Svetlana Aleksiévitch, livro publicado originalmente em 1985; no Brasil foi publicado em 2016, pela Companhia das Letras.
A guerra não tem rosto de mulher
traz relatos reais de mulheres soviéticas que estiveram na linha de frente durante a Segunda Guerra Mundial. Apesar de tratar sobre guerra, este livro é diferente de qualquer outro relato sobre esse tema que eu já li, porque ele mostra a batalha das mulheres - contada a partir do ponto de vista feminino.
Bem no início, ficamos sabendo que a União Soviética enviou aproximadamente 1 milhão de mulheres para lutar na Segunda Guerra Mundial, o dobro que a Alemanha enviou, por exemplo. Então, o que Svetlana faz é nos apresentar algumas dessas mulheres, permitindo-nos conhecer a história de vida de cada uma delas.
A autora dedicou-se durante dois anos a colher depoimentos de duzentas ex-combatentes - não sem muitas dificuldades - pois muitas delas mesmo quase quarenta anos após o fim da guerra não se sentiam à vontade para falar abertamente sobre o assunto. Quando elas começam a contar, Svetlana percebe que narram uma história completamente diferente da história masculina: elas falam sim de violência, de dor, de sangue,  de lágrimas, mas falam também acerca do amor, da amizade, de sabores, de cores, de música, de flores... Na guerra, apesar de lutarem, exercerem atividades militares perigosas, apesar de usarem roupas de homem e corte de cabelo masculino, o feminino delas está sempre lá, camuflado, mas sempre presente.


"Eram necessários soldados... Mas também queríamos ser bonitas!

Chama muito a atenção o fato de que essas mulheres não se sentem cômodas o suficiente para falar abertamente sobre a guerra. A autora diz que os relatos delas variam e dependem muito de quem está presente no momento em que contam suas memórias. As próprias mulheres assumem para Svetlana que os maridos não permitem que elas chorem, dizem que elas não podem "florear" a história e que, na noite anterior ao encontro com a autora, receberam aulas de História e Geografia para que pudessem falar o que de fato ocorreu, ou seja, para que elas pudessem contar a guerra deles, a guerra dos homens, a que eles consideram verdadeira e relevante... Elas só conseguem se libertar do tabu que a guerra se transformou quando se percebem longe dos olhares masculinos.
Alguns homens também sentiram-se ofendidos e diminuídos por Svetlana ouvir  e contar a história das mulheres, e questionaram:


"Por acaso falta homem para isso? Para que você quer essas histórias de mulher? Fantasias de mulher... Guerra é coisa de homem. O que foi, por acaso tem pouco homem sobre quem escrever no seu livro?" Os homens tinham medo de que elas não contassem direito a guerra.


O livro é triste não apenas por tratar de um tema que dói, mas porque percebemos que essas mulheres, que foram de suma importância para sua pátria, não tiveram seu valor reconhecido e valorizado.  Os homens, quando voltaram da guerra, foram recebidos como heróis, foram ouvidos, puderam falar à vontade, contar suas experiências e seus feitos heróicos... Já as mulheres, foram obrigadas a calar, e seu trabalho, tão importante para o desfecho da batalha, não foi valorizado como deveria. Elas sofreram preconceitos pelos veteranos de guerra quando chegaram no campo de batalha para lutar e sofreram preconceitos quando deixaram a batalha, até mesmo pelas próprias mulheres - que achavam que elas haviam ido para a guerra para se prostituir, por isso precisaram silenciar para não envergonhar a família. A vida delas foi triste no decorrer da guerra e para muitas continuou triste depois.

             "Fique calada! Fique calada! Não confesse!

A guerra para essas mulheres foi algo com o qual elas sempre conviveram. Desde crianças ouviram histórias de grandes batalhas, viram seus pais, tios e irmãos partindo para lutar, portanto, cresceram com o desejo de também defender a pátria. A guerra não tem rosto de mulher é um livro que retrata muito bem o "ser patriótico," como a própria autora diz, os soviéticos consideravam-se todos "Filhos da Vitória."
Svetlana fala sobre a guerra, mas diz escrever, sobretudo, sobre a história da alma humana, a história dos sentimentos... e é exatamente isso que lemos nessas 392 páginas: a história dos sentimentos dessas mulheres, a história da alma dessas mulheres. Percebemos que elas humanizam a guerra, pois seus relatos, de uma certa forma, aproximam e igualam todos os seres vivos, até mesmo aqueles que, embora alheios aos acontecimentos, também sofreram os horrores da guerra.

"Lembro como as pessoas gritavam... As vacas gritavam... As galinhas gritavam... Eu achava... Eu achava que todos gritavam... Eu achava que todos gritavam com voz de gente. Tudo o que era vivo."

Antes de ler o livro de Svetlana eu tinha uma ideia bastante equivocada sobre as mulheres que foram enviadas para o campo de batalha. Sempre achei que elas receberam incumbências mais compatíveis com o gênero feminino, como por exemplo, enfermeiras, cozinheiras, lavadeiras, médicas... Mas não, elas foram enviadas para exercer também atividades consideradas masculinas, como soldados de infantaria, francoatiradoras, comandantes de canhão antiaéreo, pilotos, atiradoras de fuzil, tanquistas, sapadoras... A autora diz, inclusive, que durante a guerra houve até um problema linguístico, pois naquela época não haviam termos que designassem essas profissões no gênero feminino, ela conta que foi durante a guerra que esses termos surgiram.
Outro ponto interessante é saber que nem todas as mulheres foram convocadas oficialmente, a maioria delas foi pelo simples fato de desejar servir a Pátria, de querer ser útil. Algumas, inclusive, fugiram de casa para se alistar, meninas muito jovens, adolescentes entre 16 e 18 anos.
O que Svetlana busca nos mostrar com esses relatos não é apenas como essas mulheres venceram, quais foram os seus feitos heróicos, quantas medalhas e condecorações receberam, quais foram as estratégias utilizadas e quantos inimigos cada uma conseguiu abater, o que ela compartilha conosco é o sentimento mais genuíno dessas mulheres, o que elas sentiram e ainda guardam dentro de si. A autora nos mostra que apesar de tudo elas não perderam a capacidade de se comover, de se emocionar... e falam, a todo momento, sobre o amor e o respeito que se deve ter em relação à pátria.
Svetlana conseguiu, de uma forma magnífica, dá voz a essas mulheres que, de igual pra igual, lutaram na mesma batalha que os homens, mas que após a vitória foram preteridas, condenadas ao papel de coadjuvantes.

"De novo sobre a mesma coisa... Me interessa não apenas a realidade que nos circunda, mas também aquela que está dentro de nós. Não me interessa o próprio acontecimento, mas o acontecimento dos sentimentos. Digamos assim: a alma dos acontecimentos. Para mim, os sentimentos são a realidade."

A leitura é mesmo muito forte, não é um livro que eu li de uma sentada, precisei fazer pausas para poder digerir o assunto e aliviar o coração. É uma leitura que dói, perturba e fica martelando dentro da gente.


Sobre a autora:Svetlana Aleksiévitch é uma jornalista e escritora nascida na Ucrânia em 1948. Recebeu o Nobel de Literatura em 2015.

svetlana





"O caminho é um só: amar o ser humano. Compreendê-lo pelo amor."


Nenhum comentário:

Postar um comentário